O Laboratório de Sociologia dos Processos de Associação (LaSPA) é sediado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), ligado ao Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado (CTeMe) e coordenado pelo Prof. Pedro P. Ferreira (Depto. de Sociologia). A proposta do laboratório é fomentar pesquisas que, em busca de uma melhor apreensão dos processos de associação, envolvam tanto experimentação conceitual quanto fundamentação empírica.

Presente de maneira difusa nos escritos de muitos dos primeiros cientistas sociais (e.g.: Marx, Weber, Simmel, Durkheim, Tarde), o estudo dos processos de associação foi recolocado no centro das preocupações de cientistas sociais de diversas áreas na passagem do século XX ao XXI, em grande parte devido às transformações sociais ligadas ao desenvolvimento das tecnologias da informação (cf. Garcia dos Santos 2003a, 2003b). A revolução computacional nos estudos de redes sociais é uma dessas transformações (cf. Barabási 2005; Gilles 2012; Heyman 2006; Roehner 2007; Strogatz 2001; Szell et al. 2010; Watts 2007; Watts e Strogatz 1998), estimulando inclusive novas tentativas de aproximação entre as ciências naturais e as sociais. No entanto, o pressuposto de que redes “sociais” poderiam ser claramente distinguidas de outros tipos de rede (e.g. técnicas), ou que fenômenos ou fatos “sociais” poderiam ser claramente distinguidos de outros tipos de fatos ou fenômenos (“naturais”, “psicológicos”, “técnicos”, “políticos”, “econômicos” etc.) tende a limitar, a priori, o tipo de sociedade que podemos vir a conhecer a partir desse tipo de estudo. Seria preciso generalizar nossa idéia de socius para além do estritamente humano ou mesmo vital – rumo, por exemplo, ao “ponto de vista sociológico universal” de Gabriel Tarde (2007) – para retomar nossa participação, como cientistas sociais, no processo de expansão e desenvolvimento humano e social em que estamos eticamente envolvidos (cf. Foucault e Deleuze 1992; Latour 1998; Simondon 1994; Viveiros de Castro 2007).

A uma Sociologia Associativa interessam, assim, as múltiplas correlações entre processos de associação tão heterogenéticos quanto: a sociologia vegetal (cf. Braun-Blanquet 1932); a simbiose (cf. Sapp 1994); associações psicológicas (James 1952); a associação de idéias (cf. Hume 1991); a livre associação psicanalítica (xxxx xxxx); o associativismo político (xxxx xxxx); a sinergética (Buckminster-Fuller 1979; ou mesmo na versão de Hakken xxxx); o acoplamento de osciladores em física, química ou biologia (xxx xxxx); as mineração de dados, em especial as regras de associação (xxxx xxxx); a dança (xxx xxxx); os ritmos na comunicação (Sacks xxxx) e no movimento (Kugler e Kluver xxxx); a morfogênese (Thom xxxx); a antropotécnica (Leroi-Gourhan xxxx); a geografia temporal (Haegerstrand xxxx); a lógica abdutiva (Peirce xxxx); as redes sociais (xxxx xxxx). Em todos os casos, o importante é abordar qualquer objeto da perspectiva das associações (internas e externas) que o originam e conduzem seu desenvolvimento. Frente à recalcitrância do objeto, o estudo dos processos de associação exige do investigador/analista uma cuidadosa consideração – ou mesmo a invenção – das categorias e dos conceitos empregados. Por um lado, isso aproximaria a Sociologia Associativa de propostas “metassociológicas” como a Etnometodologia (cf. Garfinkel 2002) e a Teoria Ator-Rede (cf. Latour 2005) e de metodologias empíricas como a etnografia (cf. Favret-Saada 2005). Por outro lado, essa preocupação conceitual também aproxima o paradigma associativo de algumas vertentes filosóficas que se dedicaram a pensar a produção, a diferença, a individuação, a heterogênese, os agenciamentos etc. (com destaque aqui para os escritos de Henri Bergson, Gilbert Simondon, Félix Guattari e Gilles Deleuze).

No geral, o estudo dos processos de associação privilegia a dimensão interacional e contextual das práticas sociais, ou seja, as maneiras como sociedades são desempenhadas de diferentes maneiras e com diferentes recursos por agentes situados em diferentes contextos e em diferentes condições. Trata-se de um enfoque mais interessado nos processos de sociogênese do que na manutenção de ordens sociais já consolidadas, encarando estas como casos-limite daqueles. Trata-se, enfim, de um esforço para conhecer novas (ou renovadas) maneiras de coexistir sem reduzi-las aos conceitos e categorias já marcados por pressupostos sobre “o ser humano” ou “a sociedade”.

Mais especificamente, o estudo dos processos de associação toma como unidade de análise a “ação associativa“. Por “ação” entende-se qualquer propagação especificável de uma diferença-variação. Por ação associativa entende-se qualquer ação que: (1) associe diferentes meios pela sua própria propagação; ou (2) contribua para a composição de um meio específico pela sua própria reiteração. A ação associativa se manifesta, portanto, em duas modalidades: (1) como uma ou mais linhas de ação associativa se propagando por diferentes meios; e (2) como associação de linhas de ação covariantes em um meio. Há um caráter predominantemente diacrônico ou sintagmático na idéia de linha de ação associativa, favorecendo a busca por relações causais ou do tipo antecedente/consequente, enquanto que na idéia de meio associativo há um caráter predominantemente sincrônico ou paradigmático, favorecendo a busca por simetrias e regularidades sistêmicas. Uma linha de ação associativa pode ser entendida como uma propagação variável, por diferentes meios, de uma certa configuração relacional, sendo a trajetória especificável desta propagação um índice do processo de associação como linha. Já um meio associativo pode ser entendido como uma reiteração variável de uma certa configuração relacional de linhas de ação, sendo a consistência especificável desta reiteração um índice do processo de associação como meio. Nota-se, imediatamente, que a definição de cada uma das manifestações da ação associativa pressupõe a outra (a linha atravessa meios que são compostos por linhas), de maneira que podemos encará-las como duas perspectivas sobre o mesmo fenômeno, algo como olhar para um tecido, ora da perspectiva de cada um dos fios que o compõem, ora da perspectiva da malha que eles compõem e mantêm em conjunto. Em ambos os casos, trata-se de rastrear um processo de associação e torná-lo acessível à análise, mas em um caso enquanto delineamento de uma ação associativa e no outro enquanto especificação de um meio associativo.

:::::::::: Referências :.
BARABÁSI, Albert-László. 2005. Network theory: the emergence of the creative enterprise. Science 308:639-41.
BRAUN-BLANQUET, Josias. 1932. Plant Sociology: the study of plant communities. (Trad. George D. Fuller e Henry S. Conard) New York: McGraw-Hill.
BUCKMINSTER-FULLER, Richard. 1979. Synergetics: Explorations in the Geometry of Thinking. http://www.rwgrayprojects.com/synergetics/synergetics.html
FAVRET-SAADA, Jeanne. 2005. Ser afetado. (Trad. Paula Siqueira) Cadernos de Campo 13:155-61. [1990]
FOUCAULT, Michel; DELEUZE, Gilles. 1992. Os intelectuais e o poder. In: Roberto Machado (org. e trad.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, pp.69-78. [1972]
GARCIA DOS SANTOS, Laymert. 2003a. Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio-técnico da informação digital e genética. São Paulo: Ed.34.
__________. 2003b. A informação após a virada cibernética. In: Laymert Garcia dos Santos; Maria R. Kehl; Bernardo Kucinski; WalterPinheiro. Revolução tecnológica, internet e socialismo. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, pp.9-33.
GARFINKEL, Harold. 2002. Ethnomethodology’s program: working out Durkheim’s aphorism. Lanham: Rowman & Littlefield.
GILLES, Jim. 2012. Making the links. Nature 488:448-50.
HERRICK, C.L. 1901. Association fibres. In: James M. Baldwin. Dictionary of Philosophy and Psychology. New York: Macmillan.
HEYMAN, Karen. 2006. Making connections. Science. 313:604-6.
HUME, David. 1991. An enquiry concerning human understanding. La Salle: Open Court. [1748]
JAMES, William. 1952. The Principles of Psychology. Great Books of the Western World (53). Chicago: Encyclopaedia Britannica. [1891]
LATOUR, Bruno. 1998. From the World of Science to the World of Research? Science 280:208-9.
__________. 2005. Reassembling the social: an introduction to actor-network-theory. Oxford: Oxford University Press.
ROEHNER, Bertrand M. 2007. Driving forces in physical, biological and socio-economic phenomena: a network science investigation of social bonds and interactions. Cambridge: Cambridge University Press.
SAPP, Jan. 1994. Evolution by association: a history of symbiosis. Oxford: Oxford University Press.
SIMONDON, Gilbert. 1994. Les limites du progrès humain. In Gilles Châtelet (Coord). Gilbert Simondon: une pensée de l’individuation et de la technique. Paris: Albin Michel, pp.268-75. [1959]
STROGATZ, Steven H. 2001. Exploring complex networks. Nature 410:268-76.
SZELL, Michael; LAMBIOTTE, Renaud; THURNER, Stefan. 2010. Multirelational organization of large-scale social networks in an online world. PNAS 107(31):13636-41.
TARDE, Gabriel. 2007. Monadologia e sociologia. In: Monadologia e Sociologia e outros ensaios. (trad. Paulo Neves) São Paulo: Cosac & Naify, pp.51-132. [1895]
TUFTS, J.H. 1901. Association (in aesthetics). In: James M. Baldwin. Dictionary of Philosophy and Psychology. New York: Macmillan.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2007. Diversidade socioambiental. In: Beto Ricardo; Maura Campanili (eds.). Almanaque Brasil socioambiental (2008). São Paulo: ISA, pp.1-3.
WATTS, Duncan J. 2007. A twenty-first century science. Nature 445:489.
WATTS, Duncan J.; STROGATZ, Steven H. 1998. Collective dynamics of ‘small-world’ networks. Nature 393:440-2.

0 Responses to “LaSPA”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado (CTeMe).

Bibliografia:

ABBOTT, Edwin A. 2002. Planolândia: um romance de muitas dimensões. (trad. Leila de S. Mendes) São Paulo: Conrad. [1884]

ANTUNES, Arnaldo. 2006. Como é que chama o nome disso: Antologia. São Paulo: Publifolha.

BALDWIN, James M. 1901. Dictionary of Philosophy and Psychology. New York: Macmillan.

BARRON, Colin (ed.). 2003. A strong distinction between humans and non-humans is no longer required for research purposes: a debate between Bruno Latour and Steve Fuller. History of the Human Sciences 16(2):77-99.

BOURDIEU, Pierre. 2008. A distinção: crítica social do julgamento. (trad. Daniela Kern; Guilherme J.F. Teixeira) São Paulo: Edusp. [1979]

CALLON, Michel. 1987. Society in the making: the study of technology as a tool for sociological analysis. In: Wiebe E. Bijker; Thomas P. Hugues; Trevor J. Pinch. (eds.). The social construction of technological systems: new directions in the sociology and history of technology. Cambridge: The MIT Press, pp.83-103.

CALLON, Michel; LATOUR, Bruno. 1981. Unscrewing the big Leviathan: how actors macro-structure reality and how sociologists help them to do so. In: K. Knorr-Cetina; A.V. Cicourel (eds.). Advances in social theory and methodology: toward and integration of micro- and macro-Sociologies. Boston: Routledge; Kegan Paul, pp.277-303.

CHABOT, Pascal (coord.). 2002. Simondon. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin.

CHÂTELET, Gilles (coord). 1994. Gilbert Simondon: une pensée de l'individuation et de la technique. Paris: Albin Michel.

COMBES, Muriel. 1999. Simondon: individu et collectivité - Pour une philosophie du transindividuel. Paris: PUF.

DELEUZE, Gilles. 1996. O atual e o virtual. In: Éric Alliez. Deleuze Filosofia Virtual. (trad. Heloísa B.S. Rocha) São Paulo: Ed.34, pp.47-57.

DELEUZE, Gilles. 2006. A ilha deserta e outros textos: textos e entrevistas (1953-1974). São Paulo: Iluminuras. [2002]

DURKHEIM, Émile. 2013. Educação e Sociologia. (Trad. Stephania Matousek) Petrópolis: Vozes.

DURKHEIM, Émile. 2002. Les règles de la méthode sociologique. Chicoutimi: Les Classiques des Sciences Sociales. [1894].

DURKHEIM, Émile. 1995. As regras do método sociológico (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes. [1895]

FERNANDES, Florestan. 1974. Elementos de sociologia teórica. São Paulo: Editora Nacional.

GANE, Nicholas. 2004. The future of social theory. London: Continuum.

GELL, Alfred. 1980. The Gods at Play: Vertigo and possession in Muria religion. Man 15(2):219-48.

GELL, Alfred. 1988. Technology and magic. Anthropology Today 4(2):6-9.

GELL, Alfred. 1997. Exalting the King and obstructing the State: a political interpretation of Royal Ritual in Bastar District, Central India. The Journal of the Royal Anthropological Institute 3(3):433-50.

GELL, Alfred. 1998. Art and Agency: An Anthropological Theory. Oxford: Clarendon Press

GELL, Alfred. 2006. Vogel's net: traps as artworks and artworks as traps. In: Howard Morphy; Morgan Perkins (eds.). The Anthropology of Art: A Reader. Oxford: Blackwell, pp.219-35.

GIDDENS, Anthony. 1984. The constitution of society: outline of the theory of structuration. Berkeley: University of California Press.

GUATTARI, Félix. 1992. Caosmose: um novo paradigma estético. (Trad. Ana Lúcia de Oliveira; Lúcia C. Leão) São Paulo: Ed.34.

HECHTER, Michael; HORNE, Christine (Eds.). 2003. Theories of social order: a reader. Stanford: Stanford University Press.

HUME, David. 2007. Of the association of ideas. In: An enquiry concerning human understanding. Oxford: Oxford University Press, pp.16-7. [1748]

GIDDENS; Anthony; TURNER; Jonathan (orgs.). 1999. Teoria Social Hoje. (Trad. Gilson C. Cardoso de sousa) São Paulo: Editora Unesp. [1987]

KUGLER, Peter N.; TURVEY, Michael T. 1987. Information, natural law, and the self-assembly of rhythmic movement. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

LALANDE, André. 1956. Vocabulaire technique et critique de la Philosophie. Paris: P.U.F.

LAMARRE, Thomas. 2013. Preface. In: Muriel Combes. Gilbert Simondon and the Philosophy of the Transindividual. (Trad. Thomas LaMarre) Cambridge: The MIT Press, pp. xiii-xviii.

LAMARRE, Thomas. 2013. Afterword: Humans and machines. In: Muriel Combes. Gilbert Simondon and the Philosophy of the Transindividual. (Trad. Thomas LaMarre) Cambridge: The MIT Press, pp. 79-108

LATOUR, Bruno. 1986. The powers of association. In: John Law (ed.). Power, action and belief: a new Sociology of Knowledge? London: Routledge & Kegan Paul, pp.264-80.

LATOUR, Bruno. 1988. The Pasteurization of France. (Trads. Alan Sheridan; John Law). Cambridge: Harvard University Press. [1984]

LATOUR, Bruno. 1992. Where are the missing masses? The sociology of a few mundane artifacts. In: Wiebe E. Bijker; John Law (eds.). Shaping technology/building society: studies in sociotechnical change. Cambridge: The MIT Press, pp.225-58.

LATOUR, Bruno. 1994. On technical mediation: Philosophy, Sociology, Genealogy. Common Knowledge 3(2):29-64.

LATOUR, Bruno. 2000. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. (Trad. Ivone C. Benedetti) São Paulo: Editora Unesp. [1987]

LATOUR, Bruno. 2002. Morality and technology: the end of the means. Theory, Culture & Society 19(5/6):247-60.

LATOUR, Bruno. 2004. Por uma antropologia do centro. Mana 10(2):397-414.

LATOUR, Bruno. 2004. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. In: André Parente (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. (Trad. Marcela Mortara) Porto Alegre: Sulina, pp.39-63.

LATOUR, Bruno. 2006. Como prosseguir a tarefa de delinear associações? Configurações 2:11-27. [2005]

LATOUR, Bruno. 2010. Tarde's idea of quantification. In Matei Candea (Ed.). The social after Gabriel Tarde: debates and assessments. London: Routledge, pp.145-62.

LATOUR, Bruno. 2012. Biografia de uma investigação – a propósito de um livro sobre modos de existência. São Paulo: Editora 34.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. 1986. Laboratory life: the construction of scientific facts. Princeton: Princeton University Press. [1979]

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. 1997. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. (Trad. Angela R. Vianna) Rio de Janeiro: Relume Dumará. [1988]

LÉVI-STRAUSS. Claude. 2002. O pensamento selvagem. (Trad. Tânia Pellegrini) Campinas: Papirus. [1962]

MARX, Karl. 1845. Teses sobre Feuerbach. Marxists.org.

MAUSS, Marcel. 2003. Sociologia e Antropologia. (trad. Paulo Neves) São Paulo: Cosac & Naify. [1950] [Versão eletrônica em francês]

MERLEAU-PONTY, Maurice. 2000. A Natureza: curso do Collège de France.. (trad. Álvaro Cabral) São Paulo: Martins Fontes. [1956-60]

MORENO, Jacob L. 1934. Who shall survive? A new approach to the problem of human interrelations. Washington, D.C.: Nervous and Mental Disease Publishing Co.

PEIRCE, Charles S. 1974. Conferências sobre pragmatismo. (Trad. Armando M. D'Oliveira; Sergio Pomerangblum) In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, pp.11-66 [1902; 1905]

PETROVIC, Gajo. 2001. Práxis. In: Tom Bottomore (Ed.). Dicionário do Pensamento Marxista. (Trad. Waltensir Dutra) Rio de Janeiro: Zahar, pp.292-6. [1983]

SCHRÖDINGER, Erwin. 1993. What is life? The physical aspect of the living cell, with Mind and matter & Autobiographical sketches. Cambridge: Cambridge University Press. [1944]

SCHUESSLER, Karl (ed.). 1973. Edwin H. Sutherland: on analyzing crime. Chicago: The University of Chicago Press.

SILLAMY, Norbert. 1965. Dictionaire de la psychologie. Paris: Larousse.

SIMONDON, Gilbert. 1994. Les limites du progrès humain. In Gilles Châtelet (Coord). Gilbert Simondon: une pensée de l'individuation et de la technique. Paris: Albin Michel, pp.268-75. [1959]

SIMONDON, Gilbert. 2008. Du mode d'existence des objets techniques. Paris: Aubier-Montaigne. [1958]

SIMONDON, Gilbert. 2010. Communication et information: cours et conférences. Édition établie par Nathalie Simondon et présentée par Jean-Yves Chateau. Chatou: Les Éditions de la Transparence. [1960-1976]

SIMONDON, Gilbert. 2014. Sur la technique (1953-1983). Paris: PUF.

SOROKIN, Pitirim A. 1998. On the practice of Sociology. Barry V. Johnston (Ed.) Chicago: The University of Chicago Press.

STRUM, Shirley S.; LATOUR, Bruno. 1987. Redefining the social link: from baboons to humans. Social Science Information 26(4):783-802.

SUTHERLAND, Edwin H. 1949. Uma teoria de Criminologia. In: Princípios de Criminologia. (trad. Asdrubal M. Gonçalves) São Paulo: Livraria Martins, pp.9-18. [1924]

VARGAS, Eduardo V. 2006. Uso de drogas: a alter-ação como evento. Revista de Antropologia 49(2):581-623.

WHITEHEAD, Alfred N. 1971. The concept of Nature. Cambridge: Cambridge University Press. [1919]

Blog Stats

  • 72,197 hits

%d blogueiros gostam disto: