O Laboratório de Sociologia dos Processos de Associação (LaSPA) é sediado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), ligado ao Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado (CTeMe) e coordenado pelo Prof. Pedro P. Ferreira (Depto. de Sociologia). A proposta do laboratório é fomentar pesquisas voltadas para os processos de associação que compõem as sociedades e grupos humanos, oferecendo aos pesquisadores um contexto coletivo de experimentação teórico-metodológica.

No geral, o estudo dos processos de associação privilegia a dimensão interacional e contextual das práticas sociais, ou seja, as maneiras como grupos sociais são desempenhados de diferentes maneiras e com diferentes recursos por agentes situados em diferentes contextos e em diferentes condições. Trata-se de um enfoque mais interessado nos processos de sociogênese do que na manutenção de ordens sociais já consolidadas, encarando estas como casos-limite daqueles. Trata-se, enfim, de um esforço para conhecer novas (ou renovadas) maneiras de coexistir, sem reduzi-las aos conceitos e categorias já marcados por pressupostos sobre “o ser humano” ou “a sociedade”.

Mais especificamente, o estudo dos processos de associação foi recolocado na agenda sociológica contemporânea pela Teoria Ator-Rede (TAR), que nas últimas duas décadas do século XX conjugou, no estudo de processos técnicos, científicos e econômicos, as tradições microssociológicas norte-americanas do interacionismo e da etnometodologia, e a tradição filosófica francesa “menor” que desagua em Gilles Deleuze. É, portanto, na continuação desse trabalho que se insere o LaSPA, colocando os recursos desenvolvidos pela TAR e por sua linhagem teórico-metodológica a serviço de questões e problemas específicos à realidade das ciências sociais brasileiras atuais.

HISTÓRICO
O LaSPA foi iniciado por Pedro Ferreira em 2010 como Laboratório de Antropologia dos Processos de Associação (LAPA), quando atuava como professor de Antropologia no Departamento de Ciências Sociais (DCSo) da Universidade Federal de São Carlos. O laboratório foi criado como derivação do Grupo de Pesquisa CTeMe (ao qual está institucionalmente ligado) mais estritamente voltada para o estudo de processos de associação.

Em 2011, ao assumir a função de professor de Sociologia no IFCH/Unicamp, Ferreira transferiu o laboratório para esta universidade e o rebatizou como LaSPA. Desde então, o laboratório tem buscado, em geral, promover atividades de pesquisa voltadas ao avanço teórico-metodológico no estudo dos processos de associação. Mais especificamente, as reuniões periódicas do LaSPA têm sido ocasião para o estudo crítico de textos e pesquisas ligados à TAR e ao seu campo problemático. O LaSPA recebe e abriga pesquisadores de todos os níveis (Iniciação Científica, Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado), dedicados ao estudo sócio-antropológico dos processos de associação.

Anúncios

0 Responses to “LaSPA”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado (CTeMe).
Laboratório de Sociologia dos Processos de Associação (LaSPA).

Bibliografia:

ABBOTT, Edwin A. 2002. Planolândia: um romance de muitas dimensões. (trad. Leila de S. Mendes) São Paulo: Conrad. [1884]

ANTUNES, Arnaldo. 2006. Como é que chama o nome disso: Antologia. São Paulo: Publifolha.

BALDWIN, James M. 1901. Dictionary of Philosophy and Psychology. New York: Macmillan.

BACON, Francis. 1620. Novum Organum; ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza.. Tradução usada: José Aluysio Reis de Andrade..

BARRON, Colin (ed.). 2003. A strong distinction between humans and non-humans is no longer required for research purposes: a debate between Bruno Latour and Steve Fuller. History of the Human Sciences 16(2):77-99.

BOURDIEU, Pierre. 2008. A distinção: crítica social do julgamento. (trad. Daniela Kern; Guilherme J.F. Teixeira) São Paulo: Edusp. [1979]

CALLON, Michel. 1987. Society in the making: the study of technology as a tool for sociological analysis. In: Wiebe E. Bijker; Thomas P. Hugues; Trevor J. Pinch. (eds.). The social construction of technological systems: new directions in the sociology and history of technology. Cambridge: The MIT Press, pp.83-103.

CALLON, Michel; LATOUR, Bruno. 1981. Unscrewing the big Leviathan: how actors macro-structure reality and how sociologists help them to do so. In: K. Knorr-Cetina; A.V. Cicourel (eds.). Advances in social theory and methodology: toward and integration of micro- and macro-Sociologies. Boston: Routledge; Kegan Paul, pp.277-303.

CHABOT, Pascal (coord.). 2002. Simondon. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin.

CHÂTELET, Gilles (coord). 1994. Gilbert Simondon: une pensée de l'individuation et de la technique. Paris: Albin Michel.

COMBES, Muriel. 1999. Simondon: individu et collectivité - Pour une philosophie du transindividuel. Paris: PUF.

DELEUZE, Gilles. 1996. O atual e o virtual. In: Éric Alliez. Deleuze Filosofia Virtual. (trad. Heloísa B.S. Rocha) São Paulo: Ed.34, pp.47-57.

DELEUZE, Gilles. 2006. A ilha deserta e outros textos: textos e entrevistas (1953-1974). São Paulo: Iluminuras. [2002]

DURKHEIM, Émile. 2013. Educação e Sociologia. (Trad. Stephania Matousek) Petrópolis: Vozes.

DURKHEIM, Émile. 2002. Les règles de la méthode sociologique. Chicoutimi: Les Classiques des Sciences Sociales. [1894].

DURKHEIM, Émile. 1995. As regras do método sociológico (Trad. Paulo Neves) São Paulo: Martins Fontes. [1895]

FERNANDES, Florestan. 1974. Elementos de sociologia teórica. São Paulo: Editora Nacional.

GANE, Nicholas. 2004. The future of social theory. London: Continuum.

GELL, Alfred. 1980. The Gods at Play: Vertigo and possession in Muria religion. Man 15(2):219-48.

GELL, Alfred. 1988. Technology and magic. Anthropology Today 4(2):6-9.

GELL, Alfred. 1997. Exalting the King and obstructing the State: a political interpretation of Royal Ritual in Bastar District, Central India. The Journal of the Royal Anthropological Institute 3(3):433-50.

GELL, Alfred. 1998. Art and Agency: An Anthropological Theory. Oxford: Clarendon Press

GELL, Alfred. 2006. Vogel's net: traps as artworks and artworks as traps. In: Howard Morphy; Morgan Perkins (eds.). The Anthropology of Art: A Reader. Oxford: Blackwell, pp.219-35.

GIDDENS, Anthony. 1984. The constitution of society: outline of the theory of structuration. Berkeley: University of California Press.

GUATTARI, Félix. 1992. Caosmose: um novo paradigma estético. (Trad. Ana Lúcia de Oliveira; Lúcia C. Leão) São Paulo: Ed.34.

HECHTER, Michael; HORNE, Christine (Eds.). 2003. Theories of social order: a reader. Stanford: Stanford University Press.

HUME, David. 2007. Of the association of ideas. In: An enquiry concerning human understanding. Oxford: Oxford University Press, pp.16-7. [1748]

GIDDENS; Anthony; TURNER; Jonathan (orgs.). 1999. Teoria Social Hoje. (Trad. Gilson C. Cardoso de sousa) São Paulo: Editora Unesp. [1987]

KUGLER, Peter N.; TURVEY, Michael T. 1987. Information, natural law, and the self-assembly of rhythmic movement. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

LALANDE, André. 1956. Vocabulaire technique et critique de la Philosophie. Paris: P.U.F.

LAMARRE, Thomas. 2013. Preface. In: Muriel Combes. Gilbert Simondon and the Philosophy of the Transindividual. (Trad. Thomas LaMarre) Cambridge: The MIT Press, pp. xiii-xviii.

LAMARRE, Thomas. 2013. Afterword: Humans and machines. In: Muriel Combes. Gilbert Simondon and the Philosophy of the Transindividual. (Trad. Thomas LaMarre) Cambridge: The MIT Press, pp. 79-108

LATOUR, Bruno. 1986. The powers of association. In: John Law (ed.). Power, action and belief: a new Sociology of Knowledge? London: Routledge & Kegan Paul, pp.264-80.

LATOUR, Bruno. 1988. The Pasteurization of France. (Trads. Alan Sheridan; John Law). Cambridge: Harvard University Press. [1984]

LATOUR, Bruno. 1992. Where are the missing masses? The sociology of a few mundane artifacts. In: Wiebe E. Bijker; John Law (eds.). Shaping technology/building society: studies in sociotechnical change. Cambridge: The MIT Press, pp.225-58.

LATOUR, Bruno. 1994. On technical mediation: Philosophy, Sociology, Genealogy. Common Knowledge 3(2):29-64.

LATOUR, Bruno. 2000. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. (Trad. Ivone C. Benedetti) São Paulo: Editora Unesp. [1987]

LATOUR, Bruno. 2002. Morality and technology: the end of the means. Theory, Culture & Society 19(5/6):247-60.

LATOUR, Bruno. 2004. Por uma antropologia do centro. Mana 10(2):397-414.

LATOUR, Bruno. 2004. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. In: André Parente (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. (Trad. Marcela Mortara) Porto Alegre: Sulina, pp.39-63.

LATOUR, Bruno. 2006. Como prosseguir a tarefa de delinear associações? Configurações 2:11-27. [2005]

LATOUR, Bruno. 2010. Tarde's idea of quantification. In Matei Candea (Ed.). The social after Gabriel Tarde: debates and assessments. London: Routledge, pp.145-62.

LATOUR, Bruno. 2012. Biografia de uma investigação – a propósito de um livro sobre modos de existência. São Paulo: Editora 34.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. 1986. Laboratory life: the construction of scientific facts. Princeton: Princeton University Press. [1979]

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. 1997. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. (Trad. Angela R. Vianna) Rio de Janeiro: Relume Dumará. [1988]

LÉVI-STRAUSS. Claude. 2002. O pensamento selvagem. (Trad. Tânia Pellegrini) Campinas: Papirus. [1962]

LÉVI-STRAUSS. Claude. 2012. Antropologia estrutural. (Trad.: Beatriz Perrone-Moisés) São Paulo: CosacNaify.

MARX, Karl. 1845. Teses sobre Feuerbach. Marxists.org.

MAUSS, Marcel. 2003. Sociologia e Antropologia. (trad. Paulo Neves) São Paulo: Cosac & Naify. [1950] [Versão eletrônica em francês]

MERLEAU-PONTY, Maurice. 2000. A Natureza: curso do Collège de France.. (trad. Álvaro Cabral) São Paulo: Martins Fontes. [1956-60]

MORENO, Jacob L. 1934. Who shall survive? A new approach to the problem of human interrelations. Washington, D.C.: Nervous and Mental Disease Publishing Co.

PEIRCE, Charles S. 1974. Conferências sobre pragmatismo. (Trad. Armando M. D'Oliveira; Sergio Pomerangblum) In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, pp.11-66 [1902; 1905]

PETROVIC, Gajo. 2001. Práxis. In: Tom Bottomore (Ed.). Dicionário do Pensamento Marxista. (Trad. Waltensir Dutra) Rio de Janeiro: Zahar, pp.292-6. [1983]

SCHRÖDINGER, Erwin. 1993. What is life? The physical aspect of the living cell, with Mind and matter & Autobiographical sketches. Cambridge: Cambridge University Press. [1944]

SCHUESSLER, Karl (ed.). 1973. Edwin H. Sutherland: on analyzing crime. Chicago: The University of Chicago Press.

SILLAMY, Norbert. 1965. Dictionaire de la psychologie. Paris: Larousse.

SIMONDON, Gilbert. 1994. Les limites du progrès humain. In Gilles Châtelet (Coord). Gilbert Simondon: une pensée de l'individuation et de la technique. Paris: Albin Michel, pp.268-75. [1959]

SIMONDON, Gilbert. 2008. Du mode d'existence des objets techniques. Paris: Aubier-Montaigne. [1958]

SIMONDON, Gilbert. 2010. Communication et information: cours et conférences. Édition établie par Nathalie Simondon et présentée par Jean-Yves Chateau. Chatou: Les Éditions de la Transparence. [1960-1976]

SIMONDON, Gilbert. 2014. Sur la technique (1953-1983). Paris: PUF.

SOROKIN, Pitirim A. 1998. On the practice of Sociology. Barry V. Johnston (Ed.) Chicago: The University of Chicago Press.

STRUM, Shirley S.; LATOUR, Bruno. 1987. Redefining the social link: from baboons to humans. Social Science Information 26(4):783-802.

SUTHERLAND, Edwin H. 1949. Uma teoria de Criminologia. In: Princípios de Criminologia. (trad. Asdrubal M. Gonçalves) São Paulo: Livraria Martins, pp.9-18. [1924]

VARGAS, Eduardo V. 2006. Uso de drogas: a alter-ação como evento. Revista de Antropologia 49(2):581-623.

WHITEHEAD, Alfred N. 1971. The concept of Nature. Cambridge: Cambridge University Press. [1919]

Blog Stats

  • 90,250 hits
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: